Corpo Etérico e Nível do Sonho

A conexão entre o Corpo Etérico e o Nível do Sonho na concepção teosófica

A classificação dos níveis do sonho (artigo anterior) foi feito com base em caraterísticas típicas que foram observadas em experiências práticas. Nesse artigo, as concepções teosóficas estão em foco. Eu as adaptei à classificação dos níveis do sonho, mas sem alterar os princípios básicos do ensino teosófico. Segundo a teoria teosófica, a evolução do ser humano significa que ele livrar-se das aderências do ego. Essas aderências do ego significam que a pessoa está cegada por seus pensamentos e suas imaginações (e também pelos egoísmos). Mas na evolução, a pessoa desenvolve mais atenção e dedicação à vida em volta dela.

Junto com essa evolução interior, o corpo astral ("a alma") da pessoa se separa cada vez mais do aspeto físico – o qual é a origem das aderências egoísticas as quais exigem a satisfação de nessecidades e desejos corporais. Enfim, a pessoa encontra o seu lar astral. Esse processo se manifesta na separação (passo a passo) do físico: primeiro espacialmente (na forma de levitar/ voar) e mais tarde por meio de entrar em outras dimensões (viagens astrais).

 

 1° Nível do Sonho ("sem sonhos")

O corpo astral está dormindo, num estado de inconsciência.

No seu livro "A Vida depois da Morte" (Life after Death), C. W. Leadbeater escreve:

"Quando nós observarmos uma pessoa não desenvolvida interiormente no seu sono, é provável que pensarmos que o corpo astral dela esteja dormindo tão profundamente como o corpo físico dela. Isso quer dizer: apenas um pouquinho da consciência dessa pessoa está no corpo astral dela. Ela não pode se afastar do corpo físico. Mesmo que você tentar tirá-la do corpo dela, ela acordaria com um susto."

(traduzido livremente da versão alemã)

Geralmente, parece que esse estado é típico para pessoas sem vida interior (emoções atrofiadas/ recalcadas).

 

 2° Nível do Sonho (sonhos ‘cinzentos’, caóticos, sem vivacidade)

A consciência já está no corpo astral, mas o astral ainda está ligado firmemente com o físico. O corpo astral ainda não pode perceber estímulos transcendentes e também não é capaz de visitar o mundo astral. Ele se cerca com os seus próprios pensamentos (que leva a sonhos psíquicos). A razão para essa condição pode ser um nível baixo da evolução interior. Mas a atitude da vida dessa pessoa também pode ser uma razão – isso pode ser o caso quando uma pessoa somente se dedica ao mundano e rejeita tudo que é bonito, fantasioso ou religioso. Pessoas desse tipo apenas se interessam – numa forma egocéntrica – pela satisfação dos desejos egoísticos deles. Isso também é a razão decisiva para a pessoa do nível baixo da evolução interior – mas, em vez da pessoa egocéntrica, ela simplesmente não pode fazer outra coisa porque a simples satisfação de desejos é normal para um baixo nível da evolução interior. Mas no caso segundo, a razão para esse comportamento é que a alma foi inibido da evolução (perturbações espirituais).

Imagem 1 – O corpo astral, tanto como o fluído, ainda está no corpo físico e se cerca com um tipo de "névoa", consistindo de pensamentos e imagens.

 

 3° Nível do Sonho (a linguagem simbólica da psíque é dominante)

O corpo astral se separa repetidamente do corpo físico – só por uns centimetros – e cai de volta. Ele está "desapertado" agora. Em comparação com os níveis anteriores, agora o astral está num estado superior de vibração áurica. A pessoa ainda está cercado de seus próprios pensamentos e imagens (com a consciência no corpo astral), mas agora esse mundo interior de pensamentos e imagens está muito mais vivo, colorido e emocional.

Imagem 2 – A ligação entre o corpo astral e o corpo físico está desapertada, e o astral está flutuando uns centimetros para cima, depois retornando para o corpo físico. Isso acontece repetidamente. A consciência da pessoa está direcionada ao interior – simbolizada pela nuvem cor de rosa, que cerca o corpo astral e representa a alienação causada pelos pensamentos e imagens da psíque.

 

 4° Nível do Sonho (ocorrem habilidades "mágicas")

O corpo astral não mais está num simples estado desapertado, mas agora ele flutua numa altura de 1-2 metros em cima do físico. Para essa fase, é típico que a pessoa tenha sonhos nos quais ela cai de grande altitude, sonhos com balanços ou com elevador (leia mais no artigo seguinte). A pessoa começa a perceber as leis diferentes do seu lar transcendente. Assim, os sonhos dela ganham um caráter mágico e fantástico.

Imagem 3 – O fluidal, junto com o corpo astral, se tinha separado do corpo físico. Ele flutua para cima e cai de novo para o físico. O astral ainda está cercado duma névoa de pensamentos e imagens da psíque (representada pela nuvem cor de rosa).

 

 5° Nível do Sonho (Entrar em planos transcendentes)

O astral está viajando no seu lar (no plano astral). Ele já é capaz de perceber o seu ambiente numa forma rudimentar, e as impressões do ambiente exterior são incorporadas nos sonhos da pessoa. Assim, surge uma mistura de percepções astrais e elementos psíquicos do sonho. Para os seres astrais, essa pessoa parece como um ser ainda não acordado e sem poder de decisão. A pessoa parece se voltar para dentro repetidamente, sonolento e comportando-se como um sonâmbulo. Acontece muitas vezes que pessoas dessa fase de evolução são vigiados e protegidos pelos seres astrais – não separadamente, mas em grupos, como se seriam grupos de crianças.

Imagem 4 – O corpo astral está livre e pode viajar. Mas os impressões que ele tem do mundo astral são sobrepostas por imagens e pensamentos do subconsciente da pessoa. As experiências são impressionantes, mas a pessoa não tem certeza de que ela esteja num sonho ou numa viagem astral (porque as impressões e percepções são, de facto, uma mistura).

 

 6° Nível do Sonho (Viagens astrais)

A pessoa é totalmente consciente do seu ambiente astral. No plano astral, ela ganha experiências e aprenda dos guias dela. As emoções profundas e o amor que a pessoa vivencia no mundo astral tem efeitos – e levam a pessoa a viver uma vida mais ética. Isso acelera a evolução interior da pessoa.

Imagem 5 – Viajando no plano astral, sem interferências na percepção e sem turvação da mente.

 

Comentário adicional (por Corra):

Os teósofos dividam esses estados numa forma relativamente estrita e os relacionam aos níveis diferentes de evolução interior. Mas segundo a minha experiência – e a experiência de outros – não há casos tão estritos. Se uma pessoa chegou à fase 6, isso não quer dizer que a pessoa sempre tem experiências dessa fase. É totalmente normal que ela também tem muitas experiências nas fases anteriores. Isso quer dizer: as pessoas que podem ter experiências conscientes no plano astral também ainda tem muitos sonhos "normais" – geralmente muito mais do que viagens astrais. Mas também há pessoas que ainda não podem chegar às fases posteriores e sempre têm experiências nas fases 1-2 ou 1-3. As transições podem ser fluentes.

 

© Alfred Ballabene (Viena) traduzido por Corra