Conselhos Práticos

Avisos gerais

Para induzir a separação do corpo etérico, é necessario um equilíbrio entre dormir e acordar. Nesse estado, deve ser possível sentir como a percepção do corpo se desloca para o corpo fluídico. Isso pode ser sentido por sinais típicos como pernas e braços flutuantes ou uma sensação de leveza do corpo. Depois disso, é necessário vontade para que o corpo sutil seja separado. Para este fim, a percepção do corpo fluídico tem que ser melhorado ativamente. Isso não deve ser confundido com a percepção do corpo físico – mas isso pode acontecer às vezes (não por causa de ignorância, mas porque as sensações de ambos estados são quase idênticas, desde que você não se movimente). Especialmente no início, a distinção não é fácil entre a consciência física e uma consciência que é direcionada para dentro. Ocorre frequentemente que as pessoas confundem os tipos respetivos de percepção do corpo.

 

Adicionalmente, não devemos nos perder em fantasias e imaginações, porque no processo da separação, não é a visão que deve ser estimulada, mas em vez disso a percepção motora. Caso contrário, nós nos perderemos em sonhos e devaneios.

 

Se o processo consciente da separação tiver sucedido, o corpo fluídico poderá se mover totalmente livremente. A transição entre uma sensação de gravidade física e uma leveza fantástica é fluente. Todos os estados intermediários podem ocorrer, dependendo da densidade do corpo etérico (quer dizer, da quantidade da matéria etérica que está aderindo ao corpo astral; ver Separação do Corpo Etérico).

 

É melhor experimentar métodos diferentes para induzir uma separação, porque as chances de sucesso variam individualmente. O que é um bom método para uma pessoa, não tem que ser bom para a outra. Experimentando com vários métodos, você vai achar o método que é o melhor para você. Aliás, praticar a separação do corpo sutil não é perigoso para pessoas de boa saúde (às vezes, esse aspeto é exagerado na literatura – talvez porque algumas pessoas querem parecer mais avançadas; assim eles enfatizam os perigos e a unicidade do fenómeno).

 

Exercícios preparatórios para desenvolver uma percepção sensorial imaginária

Com o exercício seguinte, nós podemos treinar sensações do corpo como pressão, peso e calor. É particularmente adequado para treinar a imaginação da percepção sensorial. Assim, esse exercício nos ajuda a perceber e controlar melhor as energias dentro de nós.

O exercício deve ser praticado enquanto você está sentado ou de pé.

 

Comprimir uma barra de ferro

Imagine que você está segurando uma barra de ferro (com uma espessura de cerca de dois dedos) entre as suas mãos, os braços afastados à largura dos ombros. A barra de ferro está tocando as palmas.

 

Podemos sentir a barra de ferro nas palmas

 

Agora, tente comprimir essa barra de ferro. Claro, isso não é fácil, porque ela é muito dura. Só lentamente, você consegue comprimir a barra de ferro. Enquanto você faz isso, você pode sentir a pressão nas suas palmas, e você percebe que a barra de ferro se torna quente por causa da pressão. Você pode sentir o calor nas suas palmas.

 

Por fim, você tem comprimido a barra de ferro até que as suas palmas estejam afastados apenas a uma distância curta. Agora, a barra de ferro se tornou numa esfera vermelha e ardente.

 

A barra de ferro se tornou numa esfera incandescente. Podemos sentir o calor nas palmas.

 

Você pode claramente sentir o calor dessa esfera incandescente nas suas palmas. Agora, você dirige essa esfera para o seu peito. Deixe fluir o calor da esfera no seu peito. Do peito, o calor está se espalhando por todo o seu corpo (você pode sentir isso claramente).

 

O calor está se espalhando em nós

 

Continuar o exercício para entrar num estado mais profundo

Para fazer isso, você pode estar deitado num colchão ou sentado numa posição inclinada (cerca de 45°), por exemplo, numa cadeira inclinável. Essa posição inclinada deve impedir que você adormeca. Ela sempre foi muito adequada para mim. A cabeça não deve ser encostada demasiadamente para trás, porque se isso for o caso, a sua boca irá se abrir automaticamente e você começará a roncar – o que indubitavelmente perturbará a sua concentração. Com a cabeça ligeiramente inclinada para a frente, a imaginação de "cair para a frente" vai ser promovida mais tarde (imaginação de cair para fora do corpo como método de sair do corpo físico).

Concentre-se no seu corpo (no corpo inteiro) com o foco na percepção sensorial; se é possível, também tente concentrar-se na percepção espacial: perceba o espaço dentro do seu corpo.

Continuação do exercício "comprimir uma barra de ferro": agora você sente o calor no centro do seu peito. É possível continuar o exercício em maneiras diferentes, mas agora você deve estar sentado ou deitado. Você não deve imaginar tudo "na sua cabeça" (!!!), mas você deve tentar realmente perceber as sensações descrevidas. Isso é possível por meio da percepção do corpo.

 

  • Deixe fluir energia pelo corpo; sinta como o calor no seu peito está agora se espalhando, fluindo para cima nas costas e para baixo na frente.

  • Concentre-se nos pés, depois nas pernas; enchendo o seu corpo com calor

  • Em vez do calor, você também pode sentir como a esfera da energia (do exercício antes) transmite uma sensação de electricidade ou comichão/ formigueiro. Na mesma forma como acima, você pode deixar fluir a sensação de comichão ou "electricidade" pelo corpo.

  • Concentre a sua percepção interior na sugestão "o meu corpo se torna cada vez mais pesado"

  • Ou na sensação que o seu corpo se torna cada vez mais leve, flutuando para cima.

 

Outras versões:

  • Sentir o interior do seu corpo:

    Perceba a circulação do sangue (mas nunca diretamente no coração!!!), perceba o calor do corpo, e sinta como o seu fôlego está fluindo pelo corpo, o estimulando

  • Exercícios de aquecimento:

    Por meio de imaginação, desenvolva uma sensação de calor nas suas palmas ou plantas dos pés. Depois, deixe fluir (ou circular) essa sensação pelo corpo.

  • "Palpação interior" do corpo:

    Concentre-se na superfície do corpo; apenas em alguns centímetros quadrados cada vez. Nessa maneira, você "caminha" pelo corpo inteiro.

  • "Respiração através dos poros":

    Por meio de imaginação, desenvolva a sensação que você está inalando e exalando através dos poros na superfície inteira do corpo. Pode ser mais fácil quando você não imaginar a respirar ár, mas em vez do ár: força, amor, pureza etc.

  • Imaginação de balançar (como numa cadeira de balanço):

    Leva essa sensação de balançar com você enquanto você está entrando num estado entre dormir e acordar.

 

 

  • Ouça para o interior do seu corpo e sinta como o calor está fluindo nele.

  • No ritmo da respiração, deixe a sua consciência oscilar entre o corpo e o espaço: quando exalando, imagina como a sua consciência está se expandindo para o espaço na sua frente; quando inalando, você regressa para o centro do corpo.

 

Enquanto você está entrando num estado de consciência cada vez mais profundo, não é necessário sentir o corpo inteiro durante todo o tempo: é possível dirigir a concentração de uma parte do corpo para outra, ou apenas concentrar-se numa área certa do corpo. Durante esse processo monótono de concentração, você vai entrar gradualmente no relaxamento profundo. Às vezes, pode acontecer que você adormeça e depois acorde num estado semi-sonolente, em que você vai continuar o exercício automaticamente. Adormecer pode causar um fenómeno chamado "despertar falso".


Não é um problema se você oscilar entre concentração e um sono leve. Mas se você adormecer profundamente, o exercício falhará. Você pode fazer as coisas seguintes para prevenir isso:

  • uma posição mais reta (ajustar o encosto da cadeira)

  • ar fresco

  • temperatura mais baixa (roupas/ cobertores menos quentes)

 

O processo da separação

Nas primeiras vezes que você está tentando induzir a separação do corpo, você tem que se esforçar mais e o processo é – muitas vezes – sem sucesso. Por quê? Porque o corpo fluídico é retirado para o corpo físico repetidamente. Parece que você esteja colado numa massa semelhante à da borracha, ou como se esteja fixado ao corpo físico por cordas resistentes de borracha. Às vezes você até pode ouvir ou claramente sentir como essas cordas estão rasgando. Segundo as teorias ocultas, essas cordas consistem em matéria etérica (você pode ler mais sobre a consistência da matéria etérica aqui: Ideoplasticidade do Corpo Etérico). Você tem que superar a resistência dessa massa etérica a qual é tão semelhante à borracha.

 

"Consegui entrar no estado no qual eu pude sentir que o meu corpo etérico estava afrouxando-se do corpo físico. Imediatamente, eu tentei me tirar do corpo material. Por alguns momentos, pareceu que deu certo, e eu fui capaz de me levantar. Mas durante isso, eu senti que eu estava fixado ao corpo físico por um tipo de cordas pegajosas. Enquanto eu estava flutuando para cima lentamente, eu ouvi essas cordas ou fibras chiar – como se elas fossem feitas de borracha. Ainda assim, eu consegui ficar em pé. Mas quando eu tentei dar um só passo, eu fui retirado para o corpo físico quase imediatamente." (Corra)

 

Existem vários métodos para superar a resistência da massa etérica:

  • "balançar"/ oscilar para fora do corpo – ganhando cada vez mais dinamismo

  • empurrar-se do corpo físico

  • rolar para fora do corpo físico (em posição deitada)

  • balançar para fora (em posição deitada)

 

Durante todo o processo da separação, geralmente você não seja capaz de ver nada. Em vez disso, você esteja cercado de escuridão. Esse estado sem visão pode durar por algum tempo, até depois da separação – e é por causa disso que muitas pessoas tem medo nesse estado, e não ousam continuar. Mas você não deve temer o fato de que você não pode ver nada – não há nenhuma razão para ter medo. Depois de alguns metros, geralmente a visão vai ser ativada automaticamente. Mesmo que a visão falte, muitas vezes você possui um tipo de percepção interior do espaço, que pode ser tão precisa que você até possa perceber cores sem vê-las visualmente. Nesses casos, é como se você possa "ver" com um outro órgão sensorial (também ver: EFC no Corpo Etérico).

 

O processo da separação causado pela exaustão

Pessoas céticas, que não aceitam os fenómenos da EFC, vai interpretar esses fenómenos como desordem na função cerebral ou como fenómenos hipnagógicas. Mas com essa interpretação, elas ignoram o fato de que nesse estado fora-do-corpo, o quarto pode ser visto de uma outra perspectiva – e também o fato de que até é possível nesse estado entrar em outros quartos (fora do campo de visão) e eventos lá podem ser percebidos.

 

Vigiando (Ballabene)

"Guru Ananda estava doente e precisava da minha ajuda. Assim, eu estava sentado numa cadeira de madeira – a qual era relativamente incômoda – e tentei, com grande esforço, manter abrido os olhos. Mas isso não deu certo, por isso eu fiz um pouco de ginástica, virando a cabeça e movimentando os braços para que eu ficasse acordado. Mesmo assim, de vez em quando eu me encontrei estando a uma distância de um ou dois metros da cadeira. Sempre que isso acontecesse, primeiro eu não estava consciente da situação. Apenas alguns segundos depois eu realizei que isso não pôde ser real. ‘Eu devo estar sentado na cadeira, porque eu não me movi’, disse eu a mim mesmo, e mais uma vez, eu movi o meu corpo para que eu acordasse completamente. Isso deu certo, e eu estava na cadeira de novo.

Isso aconteceu inúmeras vezes. Além da mudança da localização, não havia nenhuma diferença, comparado com o meu estado normal. Eu vi o quarto como sempre, em todos os detalhes, mas o meu corpo estava notavelmente leve nesse outro estado."

Vigiando ...

 

S. MULDOON, H. CARRINGTON (1951): "The Phenomena of Astral Projection", London, Rider, pp. 89-90 ‘The Rosseau Case’.

"O nome do sujeito não era conhecido. Chamo esse caso ‘The Rosseau Case’ porque ele foi traduzido do francês por meu amigo, o escritor Victor Rosseau. O sujeito, um soldado, diz:

Partimos de Monchiet à tarde, e depois duma marcha horrível numa rua enlameada, chegamos a Beaumetz à noite. Em seguida, depois duma pausa breve, nós nos pusemos a caminho à Vailly, onde era a linha de tiro. Entramos numa trincheira que tinha uma milha de comprimento – para nós, parecia interminável. A lama chegou até aos nossos joelhos. Na chuva congelada era impossível ver algo.

Finalmente, chegamos ao lugar onde devemos substituir um batalhão francês. A trincheira onde estavamos era uma das piores. H. e eu fomos escolhidos guardas ao mesmo tempo. Estavamos tão fatigados que não restava força para queixar-se desse azar. Estavamos desanimados e congelados até aos ossos, famintos, sem nenhuma coisa para comer.

Não havia possibilidade de fazer uma fogueira, não havia uma só polegada de terra seca para que nós nos sentássemos, não havia uma fresta onde pudéssemos acender um cachimbo para combater a dor do fome. Nunca tinhamos sabido antes – nem H., nem eu – que fosse possível para um ser humano sofrer tanto.

Nesse situação horrível, passaram várias horas, mas depois disso, tudo mudou numa maneira inesperada … eu estava consciente, totalmente consciente, do fato que eu estava fora do corpo, subitamente. Eu sabia que era real, e que o meu espírito consciente literalmente livrou-se do organismo físico …

Eu observei o meu corpo miserável em roupas verde-cinzas, o corpo que antes tinha sido o meu próprio. Mas eu olhei para ele com indiferença completa, como se ele pertencesse a uma outra pessoa … eu sabia que o meu corpo sofreu terrivelmente, mas eu – quer dizer, meu espírito – senti nada.

Durante esse estado de existência, pareceu que era uma coisa perfeitamente natural. Só quando eu entrei no meu corpo novamente, eu estava convencido de que eu tinha experienciado uma coisa estranha. Nada pôde derrotar a minha convicção absoluta e profunda de que, naquela noite, o meu espírito tinha estado temporariamente separado do meu corpo físico …’"

(traduzido livremente do inglês)

 

Separação por causa dum acidente

T.: "Na noite depois do acidente de carro, eu acordei. Eu vi muitos seres fortes e luminosos em volta da minha cama. Eu sabia que eles tinham vindo para me levar. Eu não tinha medo. Eu senti que estava separado do meu corpo e eu senti uma atmosfera nova, mas também conhecida e familiar – a atmosfera da morte. Eu me tornei um com ela, e um sentimento profundo de amor e proteção – um sentimento de retornar para casa – me encheu. Era maravilhoso. De repente, eu ouvi uma voz atrás de mim: ‘As suas feridas não são tão graves. Você não tem que partir por causa delas.’ Imediatamente, eu fui retirado para o meu corpo. Mas eu não quis retornar, porque a saudade do meu lar transcendente – que eu tinha achado – era tão forte. Eu tentei me separar do meu corpo novamente e consegui sem problemas, porque a minha saudade forte me ajudou. Eu flutuei para cima e fui embora, mas não me lembro para onde."

 

Separação durante narcose

Nos dias de hoje, os métodos da anestesia são melhores e mais precisos do que antes. A separação do corpo sutil não ocorre mais durante a narcose. Mas antigamente, quando a anestesia por éter era comum, separações aconteceram com uma certa frequência. Ainda há relatos desse tempo.

 


Reproduzido segundo uma imagem de: S. MULDOON and H. CARRINGTON: "The Phenomena of Astral Projection", p. 56. Lá, você pode encontrar alguns relatos sobre a separação durante narcose.

 

Segundo inúmeros relatos, parece que é típico para essa separação durante uma operação (uma separação forçada) que a pessoa tem a sensação que ela está "girando para fora e para cima como uma hélice".

 

Experiência fora do corpo num estado extático (religioso, xamânico)

Excerto duma carta (com permissão). Deixei inalterados alguns fatos sobre a visão do mundo da pessoa, mesmo que não tenham nada a ver com o tema EFC’s, porque eles dão um conhecimento valioso sobre o contexto psíquico.

 

"Curiosamente, eu tinha a minha primeira experiência astral quando eu me tornava cristão. De repente, eu estava de face a face com Cristo (no momento antes disso, eu tinha estado numa reunião de oração). O que era tão interessante para mim: eu pensava que todas as outras pessoas sabiam que eu tinha saído da sala – eu sabia que eu não mais estava na sala. Depois, os outros me diziam que eu tinha caido de joelhos durante a experiência.

Naquele tempo, eu não pensava que era uma viagem astral, pois eu nunca tinha ouvido disso. Estranhamente, a experiência não parecia anormal para mim, mas certamente era espantoso e radicalmente mudava a minha percepção. Eu estava tão impressionado com essa experiência e percepção nova da realidade, que eu não me importava com que as outras pessoas iam pensar sobre as coisas as quais eu relatava, convencido de que eu tinha experienciado isso. Hoje em dia, eu estou muito mais cuidadoso sobre com quem eu falo e sobre o que eu diz.

A próxima EFC era durante um serviço religioso. Isso era nas montanhas, e um homem idoso estava pregando. Ele parou no meio da pregação, e disse que havia alguém na sala quem tinha uma mensagem, e disse que eu iria interpretar essa mensagem. De repente, eu estava flutuando em cima do salão da igreja. Era uma experiência muito agradável. Alguém disse para mim que eu tinha que transmitir uma mensagem em línguas. Eu disse: 'Não, não em frente de tantas pessoas'. Tão subitamente como antes, eu caí para o meu corpo físico, sentindo que eu tinha feito uma coisa muito errada (não transmitir a mensagem). Após um momento, o homem idoso simplesmente continuou pregando.

Por vários dias, eu me senti abatido.

Desde aqueles tempos (eu era adolescente), eu tinha muitas experiências supernaturais. Algumas ocorriam durante a meditação."

 

 

© Alfred Ballabene (Viena) traduzido por Corra